Publicado em 13/03/2020 às 19h08 | 1440 visualizações |

Temendo protestos, Governador adia solenidade da Batalha do Jenipapo

 

Os trabalhadores da educação básica no Piauí, que estam em greve desde o dia 10 de fevereiro, estiveram hoje (13/03) no Monumento da Batalha do Jenipapo, que hoje completa 197 anos da Batalha do Jepipapo, que foi um dos primeiros movimentos pela independência do Piauí e do Brasil. Todos os anos o governador do Estado realiza solenidade em homenagem aos heróis da Batalha do Jenipapo, na cidade de Campo Maior-PI.

Este ano o governador Wellington Dias realizou três modificações na programação, para fugir das manifestações dos trabalhadores em educação e da sociedade que reivindicam valorização profisisonal e melhorias nas condições de funcionamento das escolas públicas da rede estadual. Primeiro mudou o turno da solenidade, depois anunciou mudança da realização da solenidade e por fim suspendeu o evento aleagando a Pandemia do Corona vírus, que até agora tem 14 casos "suspeitos" no Piauí.


Trabalhadores em educação realizaram homenagem aos Heróis da Batalha do Jenipapo

"Entendemos que o governador está fugindo das suas reponsabilidades desrespeitando os trabalhadores em educação, a sociedade campomaiorense e os hérois da batalha do Jenipapo", destacou JAcinta BNAndeira, presidente do SINTE-Campo Maior. Nas redes sociais circulam memes dizendo que o governador cancelou a solenidade temendo as manifestações e o "coronaVAIAS".

Os trabalhadores em educação seguiram para a Igreja Matriz de Santo Antônio no centro da capital de Campo Maior onde também realizaram uma atividade no adro da igreja


Parada na Igreja de Santo Antonio no centro de Campo Maior, onde haveria agenda do governador


Ao mesmo tempo que acontecia essa mobilização na cidade de Campo Maior, os trabalhadores em educação em Teresina se mantiveram firmes no Acampamento da Resistência localizado ao lado do Palácio de Karnak. O Acampamento teve início dia 04 de março e conta com a participação de lhadores e várias regionais estiveram presentes aqui em Teresina para manter firme e forte a mobilização da categoria fazendo denúncias para a sociedade sobre o descaso que o governador Wellington Dias vem fazendo com a educação pública e prejudicando os alunos da Rede Estadual de Educação


A presidente do Sinte-PI, professora Paulina Almeida,  reafirma a continuidade da greve. "A greve continua firme e atinge cerca de 90% dos trabalhadores em educação em todo o estado do Piauí. Tem municípios que até mesmo os professores celetistas estão aderindo ao movimento grevista devido a desvalorização, atraso nos salários e contratos não renovados, que caracteriza mais algumas irregularidades do governador".

"O fim da greve da educação depende única e exclusivamente do governador Wellington Dias, em negociar e atender as pautas dos trabalhadores em educação, apresentando uma proposta para que se chegue a um consenso. Até lá, a greve continua, finalizou Paulina.


 

Tags

sem tags

Mais de Local